sábado, 30 de julho de 2016

DA JANELA LATERAL

A minha mania de andar de ônibus iniciou quando eu comecei a estudar no Liceu do Ceará do Centro de Fortaleza, no início da década de noventa. Pois bem, naquela época, fizeram uma mudança na posição do cobrador, ele ficava junto com o motorista na parte da frente, então alguns colegas e eu pegávamos “carona”, entrando pela porta de trás. Ficávamos conversando, indo de terminal em terminal, anotando os nomes das ruas e fazendo comentários maldosos sobre as pessoas que estavam do lado de fora. Fui reprovada naquele ano, mal entrava no colégio . . . . Na realidade, era a sensação de estar livre que me agradava, eu não estava indo a lugar nenhum, mas poderia ir, se quisesse, poderia descer em qualquer ponto, qualquer um, na hora em que eu desejasse, sem ter que ouvir as reclamações dos meus pais.
Ainda dá vontade de pegar ônibus quando eu quero pensar um pouco sobre a minha vida, gosto de ficar nas cadeiras mais altas da parte de trás, escutando o som do meu mp4. Só não dá mais para fazer comentários maldosos sobre as pessoas, afinal, não tenho treze anos (rsrsrs). Fico observando a vida das pessoas, umas dentro de suas casas, outras nas calçadas, nas praças, e tem aquelas que estão indo para algum lugar enquanto eu não estou indo para canto nenhum.

sábado, 28 de maio de 2016

VERSÍCULO

Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Tiago 1:19

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

VERSÍCULO

Melhor é o homem paciente do que o guerreiro, mais vale controlar o seu espírito do que conquistar uma cidade. Provérbios 16:32

domingo, 18 de outubro de 2015

DO OUTRO LADO DO ESPELHO

Em um outro espaço eu escrevia sobre o que carregava na minha bolsa, foi uma fase de muita correria, buscas, incertezas e adaptações, afinal, a juventude ingênua estava indo embora para receber uma condição humana mais madura e cada vez mais independente. Mudei de profissão, casei, voltei para a casa de Deus e, aos poucos, perdi a identificação com o tipo de texto que durante tantos anos pareceu transmitir tão bem o que eu era. Hoje, com uma outra leitura sobre tantas coisas que a sociedade parece aceitar sem maiores questionamentos, quero registrar impressões e conceitos de uma pessoa que pretende refletir em um espelho, um pouco vintage, mas de cores fortes e design arrojado.